Olhando para o futuro

A presença de escolápios na Indonésia e no Timor-Leste está chamada a se desenvolver, contando com as vocações dos dois países e com o apoio de religiosos mais velhos e mais experientes de outros lugares, como existem atualmente (das Filipinas e da Espanha) assim como com o apoio da Província de Betânia e o apoio e presença de membros da Fraternidade Provincial de Betânia.

Como em muitos lugares, aqui temos desafios educacionais importantes, além dos da escola de identidade católica, como estar em áreas subdesenvolvidas em estruturas e qualidade educacionais.  Há presença abundante de crianças – também vocações, por enquanto -, mas precisamos não apenas de trabalhadores, mas também para aprimorar o discernimento de lugares e modos de presença.

Temos certeza de que o trabalho mais bonito que podemos fazer como escolápios é criar comunidade: uma comunidade religiosa que se abre para uma comunidade cristã escolápia, também para criar uma comunidade educacional, uma comunidade humana, em torno da comunhão na qual somos chamados a crescer e através de nosso ministério e nossos relacionamentos, particularmente, fazendo com que nossos alunos se sintam em comunidade.  A presença do Senhor entre nós é a garantia de nossa missão.

Entre as perspectivas futuras está a criação de um Vicariato provincial para a Indonésia e Timor-Leste, dependente da província de Betânia, como foi aprovado no último capítulo provincial para estudar essa possibilidade.  Para isso, já estamos realizando reuniões que nos permitem crescer em união entre nós, reconhecer desafios, compartilhar visões e critérios.

Também pensamos que é importante que as casas formativas tenham uma missão escolápia próxima; nesse sentido, consideramos importante nos abrirmos a uma missão escolápia em Yogyakarta que enriqueceria nossa presença e nossa formação.

fundação em Dili (Timor Leste) está a dar os seus passos: já temos uma permissão oral do Arcebispo de Dili para continuar a trabalhar com os nossos candidatos enquanto estamos na cidade e esperamos em breve ter um destino de serviço ministerial.  No momento, estamos procurando locais, acompanhando esses candidatos e aprendendo as línguas (português e tetun).

sustentabilidade é um critério importante de nossas presenças, e isso inclui o aspecto vocacional, mas também o econômico.  É evidente que nossa presença não se sustenta em relação às casas de formação, devido ao custo e ao número, apesar da austeridade e até à busca de recursos (empregos temporários para jovens em férias, ajuda  externo …).  Mas nossos trabalhos educacionais devem poder funcionar sem a ajuda da Província, pelo menos sem a ajuda sustentada.  Para isso, estamos tomando medidas, como uma maior contribuição local, produzindo alguns alimentos e o valioso apoio da Fundação Itaka-Escolapios.  Diante de novos trabalhos educacionais, consideramos que esse critério deve ser seriamente considerado.

Outros lugares do futuro?  É muito cedo para dizer … poderíamos pensar na área de Belu ou Malaka em Timor Ocidental, dada a necessidade de apoio educacional e para fortalecer nossa presença;  também em Kalimantan, uma área carente que tem sinais de desenvolvimento e que nos permitiria estar perto da Malásia, onde a Ordem quer promover uma nova presença;  Finalmente, Papua Ocidental (atualmente sob controle da Indonésia) é outra área carente onde já temos contato.

No entanto, talvez o desafio mais bonito seja criar o Movimento Calasanz e crescer em colaboradores leigos, criando uma comunidade cristã escolápia a partir de agora.